Domingo
26 de Junho de 2022 - 
ADVOCACIA HOLISTICA - DIREITO HOLISTICO
CONFIANÇA E CREDIBILIDADE FAZ A DIFERENÇA
ADVOCACIA PREVIDENCIÁRIA - TRABALHISTA - CÍVEL - SERVIDOR PUBLICO
APOSENTADORIAS - REVISÕES - PENSÕES

CONTROLE DE PROCESSOS

Caro Cliente, cadastre seu e-mail, e acompanhe seu processo. DJALMA LEANDRO

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

NOTICIAS

Newsletter

Favor cadastrar-se informando seu e-mail, para contatos, sugestões e criticas.

COTAÇÃO DA BOLSA DE VALORES

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

COTAÇÃO MONETÁRIA

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,23 5,23
EURO 5,51 5,52
IENE 0,04 0,04
LIBRA ES ... 6,42 6,42
PESO (CHI) 0,01 0,01
PESO (COL) 0,00 0,00
PESO (URU) 0,13 0,13
SOL NOVO 1,38 1,39

ENDEREÇOS

DJALMA LEANDRO SOCIEDADE ADVOCACIA

RUA FREDERICO SIMÕES 85 EDF. SIMONSEN SALA 509
CAMINHO DAS ARVORES
CEP: 41820-774
SALVADOR / BA
+55 (71) 32432992

RIO DE JANEIRO/RJ

Rua Silva Cardoso 521 Torre A sala 521
Bangu
CEP: 21810-031
Rio de Janeiro / RJ

INSTITUCIONAL: SistCon conclui formação dos servidores da primeira turma do curso de facilitadores em Justiça Restaurativa

O Sistema de Conciliação da 1ª Região (SistCon) concluiu na sexta-feira, dia 13 de maio, a formação da primeira turma do curso de facilitadores em Justiça Restaurativa da 1ª Região (JR). O treinamento, que objetiva dar continuidade na formação e capacitação de facilitadores em Justiça Restaurativa, teve início em março deste ano e faz parte da ação estratégica do Tribunal Regional da 1ª Região (TRF1) para a Política de Implantação da JR. Para o servidor da Seção Judiciária do Maranhão, Sylvio Brito, um dos 50 facilitadores participantes dessa nova capacitação, foi uma experiência marcante e muito gratificante por se verificar a quantidade de pessoas interessadas no assunto. “Pessoas que querem fazer acontecer e que entendem a importância dessa área nova, que atua de maneira complementar ao sistema de justiça tradicional, mas com uma perspectiva diferente e focada na questão do tratamento das relações humanas, da restauração das relações humanas, na compreensão do fenômeno de como as pessoas atuam de maneira ilícita e causam danos a outros. Essa forma de restabelecer e de recompor essas relações é um dado muito importante”, salientou o servidor, atualmente lotado no Centro Judiciário de Conciliação (Cejuc) da SJMA. Sylvio Brito também ressaltou a gratidão pela abordagem escolhida, que soube conjugar a teoria e a prática. “A gente já vem nesse processo de formação contínua ofertado pelo Tribunal, e agora é aproveitar essa experiência e formação e colocar em prática tudo aquilo que aprendeu. A palavra para expressar o que a gente sente ao término dessa jornada é gratidão”, ressaltou, destacando a dedicação dos participantes que partilharam as experiências e pela orientação cuidadosa dos professores.” Esse é um caminho que a gente quer trilhar, porque é um caminho que efetivamente produz justiça no sentido mais amplo: justiça como valor, não justiça meramente como função do Estado”, concluiu, reforçando que o ser humano, as relações e a maneira como se pode viver melhor consigo mesmo e com os outros são a essência da Justiça Restaurativa. Já para outra participante do curso, a servidora Wystanny Arruda, da Subseção de Uberaba, a Justiça Restaurativa é, antes de tudo, um convite. “Neste sentido, os princípios e valores da Justiça Restaurativa oferecem a possibilidade de reflexão acerca da qualidade do que ofertamos à sociedade, a nós mesmos e àqueles com quem mantemos laços de proximidade e convivência. A Justiça Restaurativa convida a um olhar atento para as nossas escolhas, possibilitando perceber e sentir como nossas ações podem fortalecer ou destruir vínculos e pessoas”, afirmou. “Este é o olhar que consigo ter, depois desta formação como Facilitadora em Justiça Restaurativa. As orientações passadas pelo instrutor da formação convidam para a necessária ampliação da nossa percepção, para que sejamos capazes de ofertar um espaço dialógico despido de análises punitivistas, possibilitando às partes atendidas pelo sistema de justiça a reflexão e ressignificação de suas histórias e escolhas”, ressaltou Wystanny. A diretora do Centro Judiciário de Conciliação da Seção Judiciária do Amapá, Vera Cristiane Vaz de Sales Costa, também compartilhou suas impressões da formação. “O curso trouxe-me uma visão enriquecedora: na justiça restaurativa tudo é um convite para se olhar o ser humano de forma atenta. Nesse caminho, compreendi que vamos nos tornando facilitadores, cujo papel não é propor uma solução, mas construir um espaço seguro de diálogo que traga às partes, gradativamente, melhor entendimento do conflito e da importância da percepção do outro como base para relações mais saudáveis, harmônicas e respeitosas. Foi um encontro ímpar, pelo formato e pelas experiências compartilhadas. Agradeço muitíssimo a oportunidade de participar”, reforçou. A capacitação ocorreu em duas etapas e conta com certificação internacional. O Núcleo de Justiça Restaurativa da Justiça Federal da 1ª Região (Nujures) foi responsável pela coordenação da formação, que teve como instrutor o professor Paulo Moratelli, especialista em Justiça Restaurativa, delegado internacional para o Brasil da Sociedad Científica de Justicia Restaurativa (Espanha), membro do Conselho Global da Restorative Justice International (EUA), integrante do corpo de instrutores do European Forum for Restorative Justice − diretor executivo da Diálogos Transformativos e Curador do “Congresso Internacional de Justiça Restaurativa do Brasil." Justiça Restaurativa – Na 1ª Região da Justiça Federal, as práticas restaurativas já colaboram na construção de uma justiça mais célere e dinâmica e ajudam nos processos de conciliação. Em maio de 2021, o então presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), I'talo Fioravanti Sabo Mendes, publicou a Resolução 18/2021 que disciplina e implanta a Política de Justiça Restaurativa definida como forma complementar ao modelo tradicional de prestação jurisdicional no âmbito da Justiça Federal da 1ª Região. De acordo com a Resolução do TRF1, a JR se orienta por princípios como voluntariedade, consensualidade, imparcialidade, atendimento às necessidades de todos os envolvidos, corresponsabilidade, confissão formal e circunstanciada da prática dos fatos, reparação dos danos, confidencialidade e celeridade. AL Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região 
16/05/2022 (00:00)
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
VISITAS NO SITE:  8443350